29 agosto 2011


Janela de Overton - Glenn Beck

2

“E se você descobrisse que tudo em que você acreditou até hoje não passa de uma grande farsa? (...) E se chegasse à conclusão de que toda autonomia e livre-arbítrio que você julga ter, na verdade, atendem a um outro comando que não as suas ideias e a sua própria vontade?”

"E se?" A Janela de Overton é um livro bastante questionador. Tudo começa quando o filho de um poderoso chefe de empresa, Noah Gardner, se encontra com a patriota revolucionária Molly Ross.

Parece extremamente clichê, mas com o romance o autor nos mostra, como Molly mostra a Noah, que quem tem influência tem poder e manipula, e é hora de mudar.

A trama fictícia se baseia em alguns fatos ocorridos, que o autor usa para nos fazer formar opinião própria sobre o que é ficção e o que plausível. Muitos personagens históricos importantes para a política americana são citados ao longo do livro através de frases vorazes.

Janela de Overton refere-se a uma técnica de manipulação que faz o povo aceitar aos poucos, por comparação, uma ideia radical. O livro trata de questões norte-americanas, mas o uso deste conceito e a manipulação de informações refere-se a  todos.

O autor nos faz pensar e em nenhum momento usa fontes absurdas – está tudo nos jornais e na internet, todos os site e notícias são listados em um prólogo de quase 30 páginas no final do livro. A narrativa informa e entretém.

O livro pode ser o ponto de partida para despertar  seu interesse por política e sociologia, além de ser uma fonte de informação para quem já se interessa.

2 comentários:

Aione Simões disse...

Eu quero demais ler esse livro!
Tenho a impressão que, além de uma ótima leitura, é daqueles que te faz pensar não estar lendo uma ficção.
Gosto de histórias questionadoras!
Beijos!

Gláu disse...

otima resenha, objetiva...
não tenho tanto interesse em ler este livro, é um dos que se eu ganhar eu leio, mas nao compraria...

bjs

Postar um comentário